0


A linha de palettes Naked, da Urban Decay, é um fenômeno total entre aslokas apaixonadas por maquiagem. A marca, que não é boba nem nada, sabe disso e decidiu nos deixar doidinhas com um lançamento mara: a Naked2 Basics.


A nova paleta é uma continuação da primeira Naked Basics: compacta, leve e pode ser carregada na bolsa. Seus tons, mais básicos e em sua maioria matte, são fáceis de combinar e rendem vários looks. O lançamento promete agradar principalmente às fãs da Naked2, que, assim como a Naked2 Basics, conta com neutros mais frios do que aqueles encontrados nas primeiras versões das palettes.

Naked Basics x Naked2 Basics

Naked Basics x Naked2 Basics

A Naked2 Basics tem tons bem próximos do cinza e marrom, o que sugere um visual sóbrio. Das seis cores, 5 são mate e apenas uma, a Skimp, é shimmer – isso se deve ao fato das Basics serem palettes de dia-a-dia, dessas que você leva na nécessaire e usa sempre. Quanto à embalagem, não teve grandes mudanças desde a primeira versão: ela continua sendo compacta, do tamanho da palma da mão, e possui um espelho bacana para facilitar retoques ao longo do dia.

Naked2 Basics

Ainda sem previsão de chegada ao Brasil, a Naked2 Basics sai por $ 29 no site da Urban Decay. Por aqui, imagino que vá custar o mesmo que a sua primeira versão – R$ 149 na Sephora.

Eu já fiquei de olho na Naked2 Basics, e você?

espaco2

O seu nome (obrigatório)

O seu e-mail (obrigatório)

Assunto

A sua mensagem

0

Para início de conversa, vamos explicar: transição capilar é o período que o cabelo precisa para voltar ao natural e abandonar, pouco a pouco, a química que está nele. Geralmente, é adotado por quem usava alisamentos, progressivas e afins, mas quer ter de volta a saúde e a forma original das madeixas. Eu fiz transição capilar – a minha durou 6 meses antes de fazer o “big chop”, como é chamado o corte que retira todas de vez todas as mechas com química do cabelo. Foi um período complicado, mas sinto que não sofri tanto como algumas meninas que acompanhei nas redes sociais. Se você também vai passar pelo processo e não quer viver momentos de desespero, aqui vão as dicas para começar bem a transição capilar!


A primeira coisa importante é: tenha muita certeza da sua escolha. Quando eu comecei a minha transição, estava certa de que não queria mais fazer progressiva nem alisamento, porque quebravam meus cabelos, eram caros e, mesmo quando diziam não ter formol, tinham derivados igualmente perigosos para a saúde. Por isso, sabia bem o que não queria. Por outro lado, não sabia como seriam meus cachos sem a química, pois fazia anos que alisava o cabelo. Decidi embarcar na aventura certa de que, independente de como fossem meus fios naturais, eu aprenderia uma forma de cuidar deles.

Como começar a transição?

Buscar informação é parte fundamental da transição capilar. Tenha em mente que você lidará com um cabelo que, mês após mês, apresentará uma raiz cada vez maior, e em pouco tempo o comprimento estará com duas texturas – uma lisa e uma crespa/cacheada. Por isso, saber #comolidar é importante para não dar aloka e voltar atrás na decisão. Para nossa sorte, existem vários grupos nas redes sociais que explicam como hidratar, nutrir e até texturizar os fios. Com o tempo, você vai começar a descobrir coisas novas, e ficará surpresa com os resultados de tratamentos caseiros que antes não dava a menor bola.

Ter musas inspiradoras é uma forma bacana de estipular metas e não desistir do seu cabelo natural. No meu caso, minha irmã, que passou pela transição antes de mim, me ajudou bastante com dicas e apoio moral. Descobri também muitas blogueiras que falam sobre cachos, como a Rayza Nicácio e a Dayany Spiridon –  sempre acompanhava os textos e vídeos para saber mais sobre a transição e babar nos cabelóns das duas! Criar uma pastinha no computador com fotos lindas de mulheres crespas e cacheadas funciona também, e ainda serve de inspiração para futuros looks.

Thais Araújo: inspiração-mor das cacheadas

Thais Araújo: inspiração-mor das cacheadas

E olha, não é porque você está na transição que vai andar só de coque por aí. Se sentir bonita é essencial! Se você fica tranquila de coque, ok. Mas existem outras opções, como texturização de vários tipos (eu usava bigudins circulares para criar cachos na parte lisa), penteados criativos… Você pode usar a chapinha também, mas não recomendo, porque quando você for cortar os cabelos eles estarão danificados pelo calor e vão demorar beeem mais pra definir. E pode ter certeza: não tem coisa mais chata do que estar com um cabelo curtinho e sem definição. :\

Por fim: escolha bem o cabeleireiro que vai fazer seu big chop! Quando sentir que é a hora certa de cortar, pesquise bem profissionais da sua cidade que saibam lidar com cabelos crespos e cacheados. Infelizmente, na maioria das vezes o cabeleireiro do salão bombado do shopping só sabe tratar de fios lisos,então é muito importante saber do currículo da pessoa antes de entregar seus cachos de bandeja. Eu fiz o corte com a mesma pessoa que cortou o cabelo da minha irmã, pois já tinha visto uma amostra do resultado – além disso, a carreira dele é toda dedicada a beleza afro, então a aposta era certeira.

Desejo toda a coragem e força do mundo para você que está em transição. É um momento difícil, sim, mas não é nenhum bicho de sete cabeças. E tenha certeza que, quando passar a turbulência, seu cabelo vai te agradecer muito, ficando lindo como você nunca viu.

Quer contar sua experiência ou tirar dúvidas sobre a transição capilar? Se joga nos comentários!

espaco2

O seu nome (obrigatório)

O seu e-mail (obrigatório)

Assunto

A sua mensagem

0

Tem gente tão bonita que, quando a gente vê, fica contagiado: é o caso de Daniela Navaes, professora de yoga e blogueira do Respire. Praticante de yoga desde 2006, a gata acabou se formando em Design Gráfico e chegou a exercer a profissão durante alguns anos. Porém, o amor pela yoga falou mais alto, e Daniela deixou o antigo emprego para se especializar na sua paixão. Hoje professora, ela se divide entre as aulas de yoga e meditação, que são ministradas para grupos ou de forma individual em Salvador, Bahia. Além de tudo isso, ainda consegue tempo para manter o seu blog de bem estar, o Respire (que conta com ilustrações e camisetas fofíssimas feitas por ela mesma) e estar sempre linda e iluminada. Quer saber o segredo? Confira no nosso Papo de Bonita!

Belícia: A yoga tem benefícios espirituais incríveis. O corpo mudou também?

Daniela Navaes: Totalmente! A prática de yoga é holística, assim como seus benefícios. Só o fato de você simplesmente se sentar e respirar profundamente por alguns minutos é o suficiente para começar  um processo de transformação por completo. A prática de yoga ensina você a criar espaço, transmutar velhos padrões e viver de uma forma mais plena e verdadeira, baseada no aqui e agora. Então é natural que os olhos fiquem mais brilhantes, a pele mais bonita e o corpo mais firme e seguro. O exterior começa a refletir a verdadeira essência, que é pura beleza em todos os sentidos.

B: Recentemente, você se tornou vegana. Sentiu que a alimentação natural fez diferença na pele, cabelo, unhas?

DN: Bom, pra falar a verdade não tenho reparado especificamente em mudanças externas em relação à minha alimentação, mas não posso deixar de dizer que como um todo me sinto muito mais jovem e leve, porque os produtos de origem animal são muito pesados. É muita gordura e açúcar, por isso o corpo se desgasta muito para digeri-los. Então se eu gasto menos energia digerindo alimento, sobra mais pra eu distribuir pra outras partes, é claro que isso vai impactar positivamente tudo. Mas minha alimentação não é totalmente natural, porque eu ainda não me livrei do sal, açúcar e farinha branca. É lógico que eu não como essas coisas o tempo todo. Me alimento muito de frutas, verduras e oleaginosas, mas me permito algumas indulgências gastronômicas (gordices) com uma certa frequência. (risos) Eu adoro comer! Mas embora ainda não tenha visto diferença por fora, senti sim muita diferença por dentro. Me sinto muito melhor fisicamente, e os meus intestinos estão funcionando tão bem que é inacreditável.

B: Foi fácil encontrar cosméticos de beleza cruelty free?
DN: Não vou mentir, é mais fácil procurar por marcas de fora. Poucas marcas daqui levam o selo cruelty free, que é a única maneira segura de saber que um produto é vegano. O site gringo iHerb, por exemplo, é uma ótima fonte de coisas boas e baratas (embora demorem pra chegar), mas temos alguns sites nacionais também, como o Beleza do Campo. Mas eu procuro sempre pesquisar e substituir tudo pela versão mais natural possível, porque além de ser melhor pro corpo, geralmente é mais simples, sustentável e barato.

B: E as receitinhas caseiras, ganharam espaço na sua rotina?
DN: Com certeza. Desodorante e pasta de dente industrializados, por exemplo, nunca mais. Pra hidratar pele e cabelos? Banho de óleo de coco antes do chuveiro. Ocasionalmente, uma máscara de argila faz maravilhas pro rosto. Pra condicionar os cabelos? Enxágue de vinagre de maçã. Às vezes dispenso o shampoo e lavo o cabelo com shikakai, uma erva indiana que é incrível, pois limpa os cabelos e até uma espuminha faz, mas ainda não consigo tirar completamente o shampoo. O meu cabelo é liso e fino, e a raiz é oleosa demais. Fica com um aspecto horroroso se eu não usar um shampoo, mesmo que sem sulfato, pelo menos duas vezes na semana.

B: Você ficou ruiva recentemente. Como foi o processo para mudar a cor sem aderir a cosméticos tradicionais?

Daniela antes, quando ainda era morena

Daniela antes, quando ainda era morena

DN: Foi tão simples que até hoje eu me espanto. Tudo começou em janeiro, quando eu decidi que queria ficar ruiva, mas só se fosse de um jeito fácil, barato e que não me fizesse escrava de salão. Então pesquisando na internet descobri um spray clareador à base de extrato concentrado de camomila e água oxigenada que clareia os cabelos simplesmente ao ser borrifado sobre eles. Se chama Loção Cabelo Louro Natural, da Intea, mas sei que existem outras marcas que eu nunca experimentei. Basta borrifar sobre os cabelos molhados e deixar agindo por meia hora. Depois, você pode lavar e retirar ou deixar secar naturalmente.  Apliquei nos cabelos umas 5 vezes, dando tempo pra o cabelo descansar entre uma aplicação e outra, e ele ficou assim. Acho que foi sorte minha, porque eu não esperava que o cabelo fosse ficar avermelhado, que era o tom que eu queria em primeiro lugar, mas ficou, então eu não tive e nem tenho trabalho de pintar. O bom é que o processo foi gradual, então deu pra ver exatamente para onde eu estava indo. Quando as raízes começam a crescer, é só borrifar nelas. E realmente nem coloquei os pés em salão, o que me fez economizar muita grana e tempo. Mas não sei se todos os cabelos ficam vermelhos, acho que cada um abre pra um tom diferente. O jeito é testar pra descobrir. Só sei que amei o resultado! De vez em quando aplico um pouco de Surya Henna cobre para dar uma alaranjada a mais, mas nem é realmente necessário, porque a cor “natural” já está bem viva.

B: Quais produtos de beleza (caseiros ou não) fazem parte do seu top 5?

DN: Óleo de coco, vinagre de maçã, shampoo Surya (sem sulfatos), shikakai e spray Louro Natural Intea.

Daniela é a prova que dá para ser linda priorizando produtos naturais e até mesmo veganos. Deu vontade de saber mais sobre ela? Acesse o Respire e inspire-se! ;)

espaco2

O seu nome (obrigatório)

O seu e-mail (obrigatório)

Assunto

A sua mensagem

0


Não é segredo pra ninguém que intolerância alimentar é coisa séria. Alergias desse tipo costumam demorar de ser descobertas e, até lá, podem prejudicar muito o organismo: irritações cutâneas, problemas crônicos de saúde e sobrepeso são algumas das reações mais comuns. O que muita gente não sabe é que, além das clássicas intolerâncias a glúten, lactose e frutos do mar, diversos outros alimentos “bonzinhos” também podem ser vilões para determinados corpos.
Felizmente, já temos uma solução na área: o Food Detective, novidade dos nutricionistas que promete diagnosticar até 59 tipos de alergia alimentar e cerca de 140 sintomas relacionados a elas.


Desenvolvido pela Cambridge Nutritional Sciences Ltda, da Inglaterra, o Food Detective é um exame que consiste na análise de uma gota de sangue apenas, combinada a uma entrevista detalhada com o paciente. O resultado sai em 40 minutos, e pode ser surpreendente: a intolerância pode ser causada por pães e leite, mas também por frutas e verduras consideradas inofensivas.

Mas será que é mesmo tão importante fazer um exame desse tipo? Bom, na verdade, é. Quando elementos alergênicos entram em contato com o intestino, o órgão reage com inchaço das células, o que gera consequências como metabolismo lento e até o surgimento de doenças. Sabe aquele peso que você não consegue perder de jeito nenhum, ou o espirro que teima em não desaparecer? Tudo isso pode ter a ver com o que você come.

Após os procedimentos do Food Detective, o nutricionista irá passar uma dieta baseada nos resultados obtidos. Por ser a última moda nos consultórios – várias celebridades estão aderindo – o preço do exame ainda é salgado: pode custar por volta de R$ 650. Porém, se você tem doenças que nunca saram e sente incômodo ao se alimentar, o tratamento é uma possibilidade certa de encontrar as causas do problema.

Curtiu o Food Detective? Espero sua opinião nos comentários!

espaco2

O seu nome (obrigatório)

O seu e-mail (obrigatório)

Assunto

A sua mensagem

0


Desde o ano passado, usar óleo no rosto deixou de ser tabu no Brasil. A tendência começou discreta, com apenas algumas adeptas, e de repente estava na Vogue, na L′Officiel e em todos os blogs de beleza. Eu comecei usando óleo puro de rosa mosqueta no rosto no lugar do hidratante noturno (ele não pode ser exposto à luz do sol), mas sempre quis experimentar algo que pudesse ser usado também durante o dia. Passei um tempo de olho em algumas opções e, durante as férias, arrematei o famoso Huile Prodigieuse, da empresa francesa Nuxe.


Huile Prodigieuse Nuxe

O Huile Prodigieuse é apenas o óleo mais vendido da França (onde todas as mulheres são lyndas e elegantes): segundo os dados da marca, um frasco é vendido a cada 6 segundos no mundo. Livre de silicones, conservantes e óleo mineral, ele possui 97,8% de ingredientes naturais, vitamina E e seis óleos vegetais que prometem suavizar e hidratar a pele do rosto, corpo e cabelos. Mas o diferencial verdadeiro do produto está na textura: ele possui toque seco, o que elimina as chances de deixar uma aparência oleosa ou ensebada.

Como nunca tinha usado e não queria gastar R$ 100 reais num frasco grande pra me arrepender, escolhi uma miniatura que, além de custar apenas 24 dilmas, é fofa e cabe em qualquer bolsa.

Huile Prodigieuse Nuxe

Experimentei no dia seguinte e a primeira coisa que me chamou a atenção foi o cheiro: ele tem um perfume delicado e delicioso, com notas que incluem flor de laranjeira e ameixa, rosas e lírios do vale. O rendimento também é interessante: com duas gotas, você consegue hidratar o rosto inteiro, incluindo a área dos olhos. No primeiro dia usei uma gota a mais e senti que a área dos olhos ficou um pouco oleosa, o que reduziu a duração do meu corretivo. Porém, diminuindo a quantidade de produto para duas gotas, o problema desapareceu.

Saí com ele puro no rosto já algumas vezes, tanto no clima mais seco de Sampa quanto no ar úmido de Salvador, e não tive aumento da oleosidade no rosto. Notei também que ele realmente hidrata apesar de seco, pois costumo ter pequenas descamações ao lado do nariz quando minha pele está ressecada, e isso ainda não aconteceu usando o Huile Prodigieuse. Não usei o óleo no cabelo, porque meus fios são secos e ainda rola um medinho do dry oil dar uma aparência fosca a eles.

Finalmente: é um produto caro, sim, mas que dura bastante – nem parece que já comecei a usar meu frasquinho, ele continua cheio – e compensa pela qualidade e o perfume mara. Como minha pele é mista, não sei como o Huile Prodigieuse ficaria numa cútis mais oleosa, mas não acredito que ele causaria aumento dessa sensação na pele. Quando a minha miniatura terminar, com certeza vou comprar a versão de 50 ml!

Fica a nota: 4,5 – perdeu meia estrelinha porque, né, não tem como negar que o preço é meio salgado no Brasil.

[yasr_overall_rating]

E você, já usou algum óleo facial? Me conta! 

espaco2

O seu nome (obrigatório)

O seu e-mail (obrigatório)

Assunto

A sua mensagem