Belícia Entrevista: Alan Estrela Rios

Belícia Entrevista: Alan Estrela Rios

0

No Dia do Maquiador, eu não podia deixar de conversar com um dos profissionais que admiro, né? Alan Estrela Rios mora em Salvador, lida com pinceis desde 2001 e há 4 anos atua como Artista na loja da MAC no Salvador Shopping. Com passagem por marcas como Contém 1g, Artdeco e Instituto Embelezze, Rios caiu de paraquedas no mundo da beleza, mas hoje é apaixonado pela carreira e busca seu reconhecimento diariamente.

alan-rios

Começamos nosso bate-papo falando sobre a história da maquiagem: Alan entende bastante do assunto por ter sido professor no Instituto Embelezze. Segundo ele, ao contrário do que sempre pensamos, a maquiagem não surgiu no Egito: “O Egito é uma referência mais estética. Eles tinham um ritual de beleza que, nas classes ricas, fazia parte do dia a dia: o horário do banho, da depilação, do banho de óleo, do banho de leite de cabra… Esses momentos tinham a mesma importância das rotinas que temos hoje, como tomar banho ou ir ao trabalho. Porém, pode-se entender maquiagem não apenas como tratamentos de beleza em si, mas também como indumentária: nas tribos primitivas, cada adorno significava algo. Um colar de sementes tinha uma representatividade; mas se no colar tivessem também dentes de tigre, a ideia já era outra. A partir do momento em que se usa um adereço para transformar quem você é, isso é maquiagem. Com o tempo, as comunidades evoluíram e descobriram que podiam produzir também tinturas, ceras e outros materiais a partir de folhas, sementes, barro. Do mesmo modo, desenvolveram formas de se expressar através dos cabelos”.

Cabelo e maquiagem por Alan Rios

Cabelo e maquiagem por Alan Rios

Depois, a conversa evoluiu para a trajetória de Alan como maquiador. Oriundo do teatro, a única maquiagem que ele utilizava era o pó compacto e o lápis preto. Seu primeiro contato real com o tema foi no Playland, quando trabalhou com crianças e aprendeu a maquiar artisticamente: cachorrinhos, palhaços, entre outros personagens. Em 2001, mudou-se para São Paulo e, em 2002, começou a trabalhar na Contém 1g – não porque desejava uma carreira como artista, mas por ter visto a loja selecionando currículos. “Eu era um jovem em busca de emprego e, quando vi a seleção da Contém 1g, me lembrei da minha mãe – que vendia Jafra no passado. Chegando lá, a vaga era justamente para rapazes – a loja sempre tinha um funcionário homem para atender clientes masculinos em busca de presentes. Não era necessário aprender a maquiar, pois a loja era focada no público adolescente e em perfumaria, mas eu comecei a fazer maquiagens de graça na franqueada e em suas amigas para me desenvolver no ofício.”

“Futuramente, fui transferido de unidade e, com o dinheiro da saída, investi num curso de maquiagem. Me formei no SENAC com o professor César Valente e comecei a desejar sair do shopping; comecei a fazer freelas para capas de CD, produções particulares, entre outros. Acabei caindo numa rede de perfumarias que vendia também maquiagens de luxo, como Guerlain e Dior, e tive contato com esse tipo de produto, de qualidade superior. Tornei-me representante da Artdeco, marca alemã de cosméticos, e vivi esse período como uma verdadeira escola, onde aprendi texturas e cores diferentes”.

Beleza de Alan Rios para o livro Joia

Beleza de Alan Rios para o livro Joia

“De volta a Salvador, comecei a trabalhar na NYX. Quando saí, me formei no curso de Estética na Estácio-FIB e fiz vários trabalhos com revistas, como editoriais para Yacht, Revista Muito e Caderno 2. Também viajei a SP para trabalhar com Avon e outras marcas, sempre visando a pagar a minha faculdade. Comecei a trabalhar no Instituto Embelezze como professor de maquiagem e aprendi muito, porque para desenvolver as aulas, estava em constante pesquisa. O Instituto tem um módulo para iniciantes, que foi onde atuei – a demanda era que as aulas se tornassem mais práticas, já que eram consideradas excessivamente teóricas. Logo, as turmas estavam cheias e a Embelezze chegou a pedir que eu trabalhasse também em outra unidade.”

Na mesma época, a MAC estava chegando a Salvador e entrou em contato comigo, pedindo que eu participasse da seleção. Fui para a entrevista, mas não topei de imediato, por ter um compromisso com o Instituto Embelezze. Porém, recebi um prazo para pensar no assunto. Acabei conseguindo uma substituta para mim no Instituto e, em 2012, entrei na MAC – comemorei 4 anos no dia 01 de outubro.”

A MAC é uma grande escola. Todos os maquiadores, principalmente aqueles que querem brilhar na profissão, deveriam ter a chance de trabalhar pelo menos durante dois anos com a marca. A estrutura é incrível e a empresa acolhe o funcionário, moldando suas habilidades da melhor forma possível. São diversos treinamentos, inclusive para pessoas que não são formadas em estética ou maquiagem. Eu entrei na MAC já como maquiador, mas quando comecei não podia produzir ninguém, porque precisava aprender o padrão da marca – que inclui bioética, segurança, formas de tratar o produto, a cliente… Os Artistas MAC são organizados com seus materiais de trabalho: as maletas sempre serão limpas e arrumadas, o que demonstra o nosso cuidado.”

Alan Rios na MAC em dia temático de homenagem à maquiadora Alex Box

Alan Rios na MAC em dia temático de homenagem à maquiadora Alex Box

Para finalizar, perguntei a Alan se ele desejava ser um “maquiador das estrelas”. “Não trabalho pensando nessa meta. Alguns artistas já iniciam sua carreira mirando esse objetivo – o que não é errado -, mas eu prefiro me destacar aos poucos pela qualidade do que faço, buscando sempre reconhecimento“.

Curtiu a entrevista? Para mim é um prazer conhecer a trajetória de profissionais de beleza e, neste Dia do Maquiador, poder comemorar conversando com uma pessoa que atua na área. Você vai longe, Alan!

espaco2

Comente no Face ♥